Cátedra Ignacy Sachs – PUC-SP | NEF

Fotossíntese artificial poderá abastecer cidades do futuro

Deixe um comentário

Da teoria à prática: cientistas reproduzem em laboratório o processo mais eficiente de geração de energia da natureza

Fonte: Revista Exame

Em um passo revolucionário que pode levar a energia solar a novos patamares, cientistas da Universidade de Monash, em Melbourne, na Austrália, projetaram uma folha artificial que, potencialmente, conseguiria o alimentar o planeta no futuro.

Os pesquisadores da Escola de Química criaram um dispositivo inspirado no processo da fotossíntese, que transforma a luz solar em energia nas plantas, para gerar hidrogênio combustível.

Até aí, nada de novo — laboratórios em todo o mundo já vêm tentando imitar esse processo há algum tempo — não fosse o novo recorde estabelecido em termos de eficência energética.

Neste caso, a equipe desenvolveu um dispositivo capaz de produzir combustível de hidrogênio a 22% de eficiência energética, quebrando o recorde anterior de 18%.

O processo usa a luz solar para separar as moléculas da água com ajuda de materiais catalizadores (que aceleram uma reação), gerando moléculas de hidrogênio e oxigênio.

Depois, armazena os gases e os utiliza em uma célula-combustível, que funciona como uma bateria em que se consome o combustível e libera-se energia elétrica.

O sucesso no campo da fotossíntese artificial normalmente significa atingir uma eficiência energética acima de 10 por cento, que é mais ou menos a eficiência máxima da fotossíntese natural.

Embora não seja um ganho particularmente enorme, é notável. Para atingir esse resultado, os pesquisadores australianos usaram níquel como catalisador.

Isto é significativo porque os métodos anteriores exigiam metais preciosos, enquanto que o níquel é mais barato, abundante, e oferece uma grande estabilidade.

“A divisão eletroquímica da água poderia fornecer uma fonte de hidrogênio barata, limpa e renovável como combustível. Esta última descoberta é significativa e um passo importante para tornar esse processo realidade”, disse o pesquisador Leone Spiccia em comunicado oficial.

“Se nós pudéssemos converter todas as estruturas feitas pelo homem sobre a superfície da Terra, cada estrada, casa e ponte em uma estrutura que fizesse fotossíntese melhor do que as plantas, poderíamos então retirar a pressão da natureza”, disse Thomas Faunce, outro pesquisador australiano, ao site ABC.

Este passo importante no estudo da fotossíntese artificial foi publicado no periódico científico Energy & Environmental Science.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s