Cátedra Ignacy Sachs – PUC-SP | NEF


Deixe um comentário

El Instituto de la Mujer Empresa de Unifranz contribuye al empoderamiento de las emprendedoras

La Universidad Privada Franz Tamayo (UNIFRANZ) celebró su 25  aniversario desarrollando el talento y conectando a sus estudiantes con el mundo y desde 2017 creo un espacio para empoderar a la mujeres emprendedoras, se trata del Instituto de la Mujer & Empresa (IME).

UNIFRANZ, según una nota de prensa enviada a la redacción de infoRSE, tras 25 años de trabajo, está consolidada con cuatro sedes en las ciudades con mayor población, desarrollo y crecimiento del país, respondiendo a la necesidad de educación superior de calidad en la sociedad.

Leia mais aqui.


Deixe um comentário

As candidatas-laranja

Para cumprir a cota de 30% exigida pela lei, partidos inscrevem nas eleições mulheres que sequer participam da campanha. Para outras, não destinam um centavo sequer. É o velho jeitinho para driblar o TSE

Aurestina Assis de Matos Lopes é dona de casa, dedicada à família e à religião. A discussão política está bem longe da sua rotina. No entanto, na lista de candidatos a deputado distrital do Distrito Federal, Aurestina transmuta-se para Tina Lopes, que disputará as eleições pelo PRP com o número 44180. “Disputará” é força de expressão. Tina Lopes não fez nem fará campanha. Não pede um voto. Nem a seus familiares. Ela entrou na chapa somente porque o PRP precisava de mulheres para preencher a cota exigida pela legislação de 30% de candidaturas femininas. Aurestina é uma laranja clássica, mas não constitui um caso isolado. ISTOÉ verificou que há uma grande quantidade de “Tinas” espalhadas pelo país. Algumas, laranjas declaradas. Em boa parte dos casos, mulheres que não receberam um tostão sequer dos seus partidos para as suas campanhas.

Leia mais aqui.


Deixe um comentário

The Data on Women Leaders

Majorities of Americans see men and women as equally capable when it comes to some of the key qualities and behaviors that are essential for top leaders in politics and business. Yet women still make up a small share of top leadership jobs in both of these realms. Our 2018 report explores Americans’ views about women leaders, the barriers they face and prospects for the future. Below, we’ve charted the most up-to-date data on the share of women in top U.S. political and business roles over time. Leia mais aqui.


Deixe um comentário

Desigualdad de Género

Conversatorio Futuro, Mujer y Trabajo: Discutiendo las claves del futuro de Chile


Encuesta sobre igualdad de género: 7 de cada 10 niños y niñas considera que se incentiva más el deporte en ellos que en ellas


Anulan condena de muerte contra adolescente que mató a su esposo cuando intentaba violarla


Por primera vez en su historia la Bolsa de Nueva York nombra a una mujer presidenta


La “decidora” foto del Consejo de Rectores: Todos son hombres, ninguna mujer


Actor de “Dr. Strange” no aceptará papeles si a sus colegas mujeres no les pagan lo mismo


Karen Araya, volante de la Roja: “Creo que ningún hombre (futbolista) pasaría por lo que nosotras pasamos”


Deixe um comentário

Igrejas evangélicas e a Internet cumprem função de escola no Brasil popular

Em um cenário eleitoral polarizadoeducação é tópico de consenso. Mas a promoção do ensino de qualidade não depende só da abertura de escolas. É preciso pensar em como ser mais eficiente no papel de educar os mais pobres.

O comentário é de Juliano Spyer, antropólogo do Alexandria Big Data, doutor pela University College London e autor do livro Mídias Sociais no Brasil, em artigo publicado no seu Medium, 29-07-2018.

Lançado em Londres pela UCL Press e disponível para download gratuitamente, o livro Social Media in Emergent Brazil é o primeiro estudo sobre como a classe C, o segmento mais poderoso da Internet no Brasil segundo o Google, usa as mídias sociais.

Leia mais aqui.


Deixe um comentário

Em dois anos país tem mais 5 milhões de subutilizados e 1,6 milhão de desalentados

Segundo o IBGE, no segundo trimestre a subutilização da mão de obra chegou a 27,6 milhões: queriam trabalhar mais, mas não conseguiram. E 4,8 milhões desistiram de procurar trabalho.

A reportagem é publicada por Rede Brasil Atual – RBA, 16-08-2018.

O país fechou o segundo trimestre com 27,636 milhões de subutilizados, termo usado pelo IBGE para definir o conjunto de desempregados e aqueles que gostariam de trabalhar mais, mas não conseguem. Um número estável diante do primeiro trimestre, mas que subiu em relação a igual período de 2017, com a taxa passando de 23,8% para 24,6%. No segundo trimestre de 2016, eram 22,651 milhões. Assim, depois de dois anos, a partir do impeachment de Dilma Rousseff, esse contingente aumentou em quase 5 milhões.

Leia mais aqui.